No meu armário guardo uma metralhadora de mágoas. Cazuza sempre me entendeu. Nunca haveria uma única chance de um dia te abandonar. Meus instintos mais hostis nunca permitiriam tal ousadia. Cada movimento meu sempre foi exclusivamente regido pelo desejo de te manter na mira dos meus holofotes, principalmente na minha cama, sob as minhas mãos rudes. Ah… minha doce menina que de tão doce amou a liberdade e encontrou com a sua própria loucura escrita em tailandês. Um tipo estranho, estrangeiro, rapaz corpulento de poucas palavras, mas com coragem de lhe arrancar de mim. Desculpe a ruidez da alma, o calar da noite, o medo das esquinas vazias, o pensamento do transeunte bêbado após o tiro que acertou em cheio teu coração. Eu me transformei numa espécime de homem-bomba, poeta inútil e demente. Minha mente doentia chegou ao seu apogeu. Naquela noite eu fui guiado por cada partícula, átomo e hemoglobina do teu sangue que fervia na presença daquele rapaz. Você precisa me entender. Eu nunca fui homem de meias palavras e fui atingido por um míssil teleguiado de fúria e traição. Sou uma criatura perturbada pelo fato coexistir sem nenhuma resistência. E como coexistir sem a tua presença? Te matei nas vésperas do teu aniversário no bar do Seu Nireu. Hoje, teu presente é a minha morte.
Elisa Bartlett   (via oxigenio-dapalavra)

(via oxigenio-dapalavra)




Olhe para o céu, o amor vem de lá.
Amor à Distância.      (via conclui-r)

(via conclui-r)



Olhe para o céu, o amor vem de lá.
Amor à Distância.      (via conclui-r)

(via conclui-r)


Não desisto, mas também não insisto. Sim, eu sou estranho.
Gramaticas. (via conclui-r)

(via conclui-r)


Tornei-me caneta estuporada que mais mancha do que escreve, o que antes foram belas vestes de folhas nuas, hoje tornou-se arte moderna, dor cuspida na parede da alma e escarrada na folha de um bloco qualquer. Eu já me denominei escritora, porém hoje não passo de uma domadora de extravasos, de uma traficante inata que transmite tudo que já não se sente, tudo que já não se cria. Eu roubei a pedra de Drummond, os olhos de ressaca que Machado homenageou sua traíra, roubei a flor maravilhosa do pequeno príncipe apenas para vê-lo jorrar pétalas aguadas pelos olhos, eu fui má, e sou o caos em notas finas de um timbre rouco, um paradoxo, uma ampola vencida que antes te salvava, e agora só te envenena. Mantenha distância, não sei ao certo porque, mas é o certo a fazer. Eu não valho a pena, eu não valho nada…
Secretária da Morte  (via oxigenio-dapalavra)

(via oxigenio-dapalavra)


Ainda bem que a gente tem a gente..
Jota Quest.    (via conclui-r)

(via conclui-r)


A inspiração é um rio gelado que corre sobre os meus pés descalços.
Elisa Bartlett (via oxigenio-dapalavra)

(via oxigenio-dapalavra)


Tem sempre um pôr-do-sol esperando para ser visto, uma árvore, um pássaro, um rio, uma nuvem. Pelo menos sorria, procure sentir amor. Imagine. Invente. Sonhe. Voe.
Caio Fernando Abreu. (via enoitecer)

(via enoitecer)


Tô naquela parte da vida que você quer dormir e acordar daqui há 10 anos. Adolescência é foda. Fase da crise. Crise do ninguém me ama, crise de solidão, crise de rebeldia, crise do será mesmo que tenho amigos. Nada é certo, tudo é errado.
Conrado.   (via conclui-r)

(via conclui-r)


A única coisa que ainda vive em mim é a escrita. Mas até ela tem sentido ímpetos de liberdade. Eu não escrevi mais para você porque senti que se assim o fizesse a única coisa que me faz sentir vivo se esvairia por entre meus dedos. Meus pulmões entrariam em colapso. Minhas vértebras se quebrariam dentro da minha pele. Minhas pálpebras adormeceriam sobre meus olhos. Eu habitaria um lugar que apesar de ser meu não é. Estaria morto. Sem luz. Eu sinto essa sensação o tempo todo sabe? Que vou estar num belo dia esperando para atravessar a rua e meu corpo vai dissolver sobre o asfalto. Essa sensação de que no minuto seguinte irei deixar de existir. Que o céu vai me regastar e junto com estrelas vou observar os outros lutarem contra esse mesmo sentimento. Eu uso a escrita pra aliviar o peso da minha existência. É através dela que eu descanso minha alma no teu corpo. Que eu tento tocar a minha alma com sua. Mas às vezes é difícil. Como é difícil meu Deus. Me veem esses pensamentos hediondos que o nosso amor não foi feito pra esse universo. Que essa vida não é a nossa. Que se a gente tá assim longe um do outro depois de tantas tentativas é porque não tem jeito. A gente não foi feito pra transbordar amor. Eu me acostumo com esse pensamento. Ainda mais não te tendo por perto. Eu já tenho 20 anos. Eu fico pensando: “E se daqui 15 anos eu te ver rindo com outra pessoa numa esquina qualquer?”, “E se você me reconhecer e me olhar com aquele jeito carinhoso de quem sente no máximo afeição por uma pessoa que já foi muito querida?”, “E se você me disser que aquela outra pessoa está com você, qual o sentido que vai ter a minha vida?”. Eu quero ir em frente sabe? Sei que parte de você também quer. Depois de tantos desencontros a gente sente vontade de bater na porta da casa de alguém e pedir pra morar ali. A gente quer se salvar. Mas daí vem uma sensação que bloqueia a nossa garganta como se o nosso coração estivesse querendo falar por nós. Fico pensamento se tem coisa mais triste do que amar uma pessoa, saber que não pode mais ficar com ela e reconhecer que não vai ser capaz de amar nenhuma outra. Não porque você não quer. Mas porque a vida te chama. Porque é preciso levantar e encarar o universo. Sei que muitos irão dizer que sempre há um caminho. E concordo. Mas acho que não sou mais capaz de enxergá-lo. E não me sinto nem um pouco contente por conta disso, acredite. É um sentimento de inutilidade. De se deixar perder. Você acorda num belo dia e grita: “OK MUNDO VOCÊ VENCEU” e para de tentar. Pra ver se tem um pouco de paz. Pra ver se finalmente você pode deitar a cabeça noite e dormir sem chorar. Pra ver se você pode viver sem ficar olhando pros lados como se estivesse alguém a espreita esperando para lhe tomar tudo de volta. É por isso que eu me conservo aqui dentro de mim. É por isso que não levei mais meus versos até teus lábios. Porque eu sinto que no minuto que o fizer estaremos acabados. Como tantas outras vezes. Ás vezes quando está bem escuro fico esperando ver uma luz. Sei que a gente tem que levantar e fazer por merecer, mas como fazer isso quando mais nada em você tem fé? Então eu espero. Pra ver se essa luz entra pra dentro de mim e eu volte pra dentro de você. Pra ver se você me enxerga e volta a gostar da maneira como eu ilumino a sua vida. Pra ver se assim eu viro poeta e você volta a sentir vontade de viver dentro do meu ser.
KEHL, Luisa.  (via oxigenio-dapalavra)

(via oxigenio-dapalavra)


Se vier, venha com cem por cento de certeza. Por que dúvidas, já bastam as minhas.
Caio Fernando Abreu.       (via conclui-r)

(via conclui-r)


Gosto da forma com que os filósofos destroem conceitos e as teorias que os precederam. Isso tem acontecido há séculos. Não é assim, dizem. É desse jeito. Isto continua sem parar e parece lógica, esta continuidade. O principal problema é que os filósofos devem humanizar sua linguagem, torná-la mais acessível, então os pensamentos se iluminam mais e ficam mais interessantes. Acho que estão aprendendo a fazer isso. A simplicidade é essencial.
Charles Bukowski (via oxigenio-dapalavra)

(via oxigenio-dapalavra)